Torres Vedras

Reabilitação do espaço envolvente aos bairros da Floresta, Reis e Barreto

21.06.2018

O espaço público envolvente aos Bairros Floresta, Reis e Barreto, em Torres Vedras, vai ser intervencionado.

Esta intervenção vai desenvolver-se numa encosta de declive acentuado que estabelece a ligação entre bairros. Neste projeto pretende-se criar condições de atravessamento de todo o espaço de intervenção e interligar os bairros mas, também, permitir o acesso aos vários equipamentos propostos para a respetiva área.

Tendo em conta as referidas características topográficas, optou-se por criar um acesso direto e linear, em escadaria, definido por um eixo, atravessando todo o espaço de intervenção. 

A escadaria inicia-se na zona mais baixa, com vários lances de escada que nos conduzem a uma praça intermédia. A envolver esta praça, a norte, será construído um anfiteatro, o qual proporcionará uma ampla vista sobre a cidade.

Este espaço permitirá a realização de diversas atividades ao ar livre, organizadas ou informais, e ainda o apoio direto ao Pólo Social e Cultural.

Para além do acesso por meio da escadaria, esta praça terá um acesso por rampa, na zona mais a sudoeste da área de intervenção.

A nascente do espaço de intervenção existe ainda outro acesso que permite uma ligação direta, praticamente de nível, desde a rua das escadas até à praça central. Este acesso permite também a interligação entre esta praça e o espaço expositivo do Pólo Social e Cultural. A existência de elevador neste edifício facultará o acesso a pessoas de mobilidade condicionada a todo o núcleo central deste espaço de intervenção. Para isso, propõe-se um lugar de estacionamento reservado a pessoas de mobilidade condicionada na cota mais baixa do espaço de intervenção e uma rampa regulamentar que permite o acesso direto até ao elevador.

A acompanhar o anfiteatro e no seguimento das escadas que ligam a praça central à zona mais baixa propõe-se uma escadaria que levará a uma plataforma superior, que se formalizará numa pequena praça definida por muretes e envolvida por canteiros de plantas ornamentais. Criar-se-á aí uma zona de estadia com a plantação de árvores e a instalação de mesas e bancos. Serão também criados nessa zona quatro lugares de estacionamento. Esta praça servirá também de apoio aos vários equipamentos sociais existentes na proximidade e que são destinados à população mais idosa daqueles bairros.

De referir que este projeto prevê um conjunto de medidas, transversais a todas as soluções preconizadas, que visam a sustentabilidade ambiental, mais concretamente no que concerne à questão da permeabilização.

A área de intervenção será composta na sua maioria por vegetação. Os taludes resultantes da intervenção e que fazem a ligação entre os vários níveis altimétricos propostos, serão revestidos com estrato herbáceo e arbustivo com métodos de hidrossementeira. Serão plantados alguns elementos arbóreos que reforçam a configuração pretendida para o espaço de intervenção e que permitem criar zonas de sombra junto a alguns locais onde é possível uma estadia informal.  

Em alguns limites do espaço de intervenção, junto aos muros de alguns logradouros contíguos, prevê-se a instalação de maciços de vegetação mais compactos ou a plantação de algumas sebes de forma a criar alguns filtros visuais, permitindo um melhor enquadramento visual e ecológico do espaço.

A mancha de vegetação que se irá instalar neste espaço contribuirá de forma significativa para fomentar o sistema contínuo ecológico, promovendo o desenvolvimento e a melhoria da estrutura ecológica urbana, através do aumento da biodiversidade, do escoamento hídrico, da qualidade do ar e do conforto bioclimático, potenciando ao mesmo tempo a multifuncionalidade da paisagem urbana.

Este projeto integra-se no PARU (Plano de Ação de Regeneração Urbana) e está igualmente no âmbito do PEDU (Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano).  

NÚMEROS 

Área: 2.450 m2

Valor: cerca de 479.000€ (cofinanciado em 85% pelo Programa Operacional Regional do Centro, Portugal2020 e União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional) 

Prazo: 1.º semestre de 2020            

Projeto: Rodrigo Gregório, Arq. Paisagista

voltar ao topo ↑