Torres Vedras

Cucos

02.05.2017

Percorra a Serra dos Cucos e levite de satisfação!...
Em Torres Vedras, território feito de história, de património e de paisagens, somos acariciados por pequenas descobertas que incentivam a percorrer o concelho.

Hoje dirigimo-nos a sudeste da cidade, passamos o Aqueduto e logo avistamos um fantástico lugar - os Cucos. Enquanto percorremos a estrada, vamos observando os imponentes edifícios, de cor rosa velho, a aproximarem-se do nosso atento olhar, ao mesmo tempo que parecem ser engolidos pela vegetação que os enlaça.

No sentido dos ponteiros do relógio, mas sem nos apercebermos do tempo que passa, encontramos os Chalets, o Casino, a Capela, o Estabelecimento Termal, o Hotel e a Buvette (fonte termal).
Estacionamos o carro, atravessamos o jardim, refrescamos as mãos no lago e sentimos o aproximar dos peixes em tom de boas vindas.
Respiramos fundo e damos início à caminhada, contornando a Buvette, onde logo somos absorvidos pelo cheiro intenso da glicínia lilás e pelo forte zumbido das abelhas que envolvem o exíguo edifício.

Começamos a subir por um dos trilhos da Serra, de características calcárias, e o ambiente fresco e campestre estimulam os sentidos permitindo reconhecer diferentes cheiros da flora, tão variada, que, aqui e ali, formam pequenos túneis apenas transpostos pelos raios do sol que nos acompanha durante todo o passeio.
Durante a caminhada vamos identificando outras Serras, a cidade, com o Castelo a destacar-se na paisagem, a Quinta da Macheia, os Fortes de S. Vicente, da Forca e da Ordasqueira.

Iniciamos a descida, cautelosa, e a magia deste lugar, rapidamente nos conduz à infância. Ao alcançarmos o sopé da serra surge uma casa abandonada marcando o início de mais um trilho de descobertas. Seguimos o rio, em busca das conhecidas azenhas dos Cucos e da Boiaca mas, um olhar atento e curioso, fez-nos parar e avançar entre arbustos que nos levariam a encontrar um forno de cal, em excelente estado de conservação.

Mais à frente, finalmente, as centenárias azenhas. Os edifícios encontram-se abandonados há muitos, muitos anos mas o cenário envolvente é maravilhoso com o rio a formar autênticas cascatas que nos refrescam depois de uma longa caminhada!      

 

Notas

O projeto do complexo termal contemplava a construção de 40 moradias idênticas aos dois chalets existentes no complexo (chalet D. Maria e chalet D. Feliciana).

O Estabelecimento Termal foi aberto ao público, provisoriamente, a 11 de julho de 1892 e a sua inauguração oficial teve lugar a 15 de maio de 1893.

As águas e lamas termais dos Cucos eram conhecidas e utilizadas no tratamento de doenças reumáticas.