Torres Vedras

Torres Vedras acolhe exposições relacionadas com o programa "Romed"

12.09.2017

Duas exposições foram inauguradas em Torres Vedras este sábado à tarde, dia 9 de setembro, relacionadas com a adesão do Município ao programa Romed.

Recorde-se que este programa tem como objetivo principal assegurar a equidade da mediação entre as comunidades ciganas e as instituições públicas, promovendo a mudança através da participação democrática da população. O Romed2 utiliza princípios de boa governança e exige a organização da comunidade como meio de desencadear um processo que seja sustentável e justo para todos. Promovido pelo Conselho da Europa, o Romed2 está atualmente a ser implementado em dez países europeus (Bélgica, Bósnia e Herzegovina, Bulgária, Grécia, Hungria, Itália, Portugal, Eslováquia, Macedónia e Roménia).

A primeira daquelas mostras foi inaugurada na Cooperativa de Comunicação e Cultura. Trata-se de uma exposição de fotografia de Sérgio Aires, intitulada “Singular do Plural”. Esta exposição é promovida pela EAPN Portugal/Rede Europeia Anti-Pobreza, para quem "o combate à discriminação passa necessariamente por uma intervenção que promova a informação e o conhecimento sobre os cidadãos ciganos portugueses, pois a sua ausência contribui, consequentemente, para o desenvolvimento e o agravamento de estereótipos e preconceitos”.

A inauguração da exposição foi antecedida da apresentação do respetivo livro pela sua autora - Maria José Vicente -, sendo que no mesmo 20 cidadãos de etnia cigana são fotografados e dão o seu testemunho de vida em face da problemática da discriminação racial.

Na apresentação desse livro a vereadora da Área de Desenvolvimento Social da Câmara Municipal, Ana Umbelino, recordou que a riqueza da sociedade está na sua diversidade, sendo importante valorizar este facto numa altura em que novos radicalismo populistas estão a despontar.

De referir que na apresentação desse livro esteve também presente a presidente da Cooperativa de Comunicação e Cultura, Inês Mourão, para além de vários intervenientes no mesmo, sendo que alguns desses deram o seu testemunho na mesa: Maria João Gil (atriz), Prudêncio Canhoto (mediador municipal) e Olga Mariano (dirigente associativa, ativista, formadora e mediadora cultural).

A segunda exposição foi inaugurada na Fábrica das Histórias - Casa Jaime Umbelino. Intitula-se “Raízes Soltas” e é da autoria da artista plástica torriense Olga Neves. Raízes que são “fragmentos de um vasto mosaico feito de palavras. Alimento, memória, barro, mas também LIBERDADE…  e eis que se alinham para a composição. Sim, raízes e liberdade podem ser palavras recíprocas uma da outra, embora respirá-las em simultâneo para uns seja coisa fácil e para outros uma façanha. Depende dos caminhos que se fizeram e dos pés. Pelos pés os caminhantes podem reconhecer os castigados, os que fogem antes que chegue a morte, os calçados e os descalços… Pés do tempo e do contratempo, pés que bailam ou que permanecem acorrentados”.

De referir ainda que a inauguração desta exposição contou com a mostra de animação "Bang Bike", levada a cabo pela empresa Slingshot na fachada do edifício da Fábrica das Histórias - Casa Jaime Umbelino, a partir de trabalhos elaborados por crianças ciganas no âmbito do programa Romed, durante e depois de uma atuação musical.

As duas referidas exposições estão patentes até 14 de outubro.