Torres Vedras

Torres Vedras com urgência pediátrica garantida

08.01.2020

Fotografia da conferência de imprensa desta quarta-feira em que se vê Elsa Baião e Carlos Bernardes lado a lado.

Na sequência das perturbações que têm vindo a afetar o normal funcionamento da urgência pediátrica do Hospital de Torres Vedras, o presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras, Carlos Bernardes, garantiu, esta quarta-feira, que o serviço não irá encerrar. “As soluções estão encontradas e passam, essencialmente, por podermos garantir a permanência do serviço de pediatria em Torres Vedras e as urgências da pediatria a funcionar 24 sobre 24 horas, 365 dias no ano” adiantou, acrescentando que o funcionamento desses serviços será garantido por profissionais daquela unidade de saúde e por prestadores de serviços.

“Foi o primeiro passo” afirmou Carlos Bernardes sobre as soluções encontradas na reunião com o Ministério da Saúde e o Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Oeste (CHO), que decorreu esta manhã. “Foi encontrada uma solução negocial de escalas com os médicos pediatras da unidade de Torres Vedras e com os respetivos prestadores de serviços” acrescentou. O “segundo passo” consiste no compromisso assumido pelo Ministério da Saúde em torno da abertura do concurso para quatro médicos pediatras para esta unidade, que deverá avançar entre março e abril.

O presidente da Câmara destacou o trabalho desenvolvido com o CHO ao longo das últimas duas semanas e deixou “uma palavra de agradecimento à direção clínica e aos profissionais, desde médicos até assistentes operacionais, pelo trabalho que têm vindo a desenvolver e, especialmente, a toda a equipa do Hospital de Torres Vedras.”

Reafirmando o objetivo de encontrar soluções para que a população tenha acesso a “melhores condições” e “serviços de excelência”, o autarca reafirmou que se encontra a ser desenvolvido um protocolo de cooperação a estabelecer entre o Município, o CHO e o Ministério da Saúde que visa várias dimensões do serviço hospitalar. “Vamos melhorar as instalações e trabalhar para ter um quadro de serviço mais alargado em alguns domínios” avançou. Além de procurar tornar o Hospital mais atrativo para os profissionais de saúde, o documento irá consignar a reativação de uma unidade de internamento pediátrico em Torres Vedras.

A minuta de protocolo será levada à reunião de Câmara extraordinária marcada para a próxima quarta-feira, podendo seguir, no mesmo dia, para discussão em sede de Assembleia Municipal extraordinária, convocada para discutir a “situação hospitalar em Torres Vedras”. Um trabalho que levou Carlos Bernardes a destacar a importância de encontrar uma plataforma “sólida, robusta, em defesa do Serviço Nacional de Saúde.”

 

Serviço de portas abertas

Elsa Baião, presidente do Conselho de Administração do CHO, salientou o esforço “muito intenso” para garantir que o serviço se mantinha aberto e afirmou que a escala da urgência pediátrica se encontra completa até ao final deste mês. “A situação está controlada e queremos que assim seja também no futuro” avançou.

A responsável sublinhou, no entanto, que se encontra a ser delineado um plano de revitalização do serviço, que pretende atrair novos profissionais e reter os profissionais que, atualmente, ali desempenham funções. “Queremos que a população volte a ganhar confiança neste serviço” disse, complementando: “Estamos a desenvolver todos os esforços para recuperar essa confiança, a curto e longo prazo.”

Recorde-se que as perturbações na urgência pediátrica do Hospital de Torres Vedras levaram ao fecho daquele serviço na noite da passada terça-feira, depois ter funcionado sem médicos pediatras no dia 31 de dezembro, situação que se voltou a repetir na semana passada.

Esta terça-feira, Carlos Bernardes esteve reunido com o Executivo Municipal, o presidente da Assembleia Municipal, a Comissão Permanente de Saúde da Assembleia Municipal e o Conselho de Administração do CHO, com o objetivo de criar uma plataforma de entendimento relativamente à atual situação da urgência pediátrica. “Conseguimos estabelecer um consenso político. As questões da saúde não são bandeiras de qualquer partido. São, acima de tudo, a salvaguarda dos interesses das nossas populações” afirmou na conferência de imprensa que se seguiu à reunião.

Depois de recordar que “os municípios não têm responsabilidade direta no que diz respeito à saúde hospitalar, essa cabe ao Ministério da Saúde”, o autarca destacou que “no nosso ato de voluntarismo, de responsabilidade, de eleitos, somos os principais defensores das nossas populações.”

Já esta quarta-feira, Carlos Bernardes esteve reunido com o secretário de Estado da Saúde, António Sales, e com o Conselho de Administração do CHO, onde foi possível encontrar soluções que permitem garantir a continuidade da urgência pediátrica do Hospital de Torres Vedras.



[Notícia atualizada às 9h47 de 9/01/2020]

voltar ao topo ↑