Torres Vedras

Cidades Educadoras

O conceito de cidade educadora é proposto em 1972 por Edgar Fauré (e outros) na obra coletiva Apprendre à être. Esta abordagem ousada e inovadora é acolhida e assumida no ano de 1989 pelo Município de Barcelona.

A cidade educadora foi apresentada, simultaneamente, como o significante de uma proposta integradora da educação formal, não-formal e informal que se gera no contexto da cidade e se destina a todos os que a habitam; e também reveladora de um compromisso político, público e ativo que diz respeito, não só às famílias e às escolas, mas aos municípios, às associações, às indústrias culturais, às empresas e a outras instituições e coletividades.

A cidade educadora é um sistema complexo em constante evolução e pode exprimir-se de diferentes formas, mas dará sempre prioridade absoluta ao investimento cultural e à formação permanente da sua população.

As cidades educadoras tiveram início, como movimento, em 1990, quando do I Congresso Internacional das Cidades Educadoras, celebrado em Barcelona, onde um grupo de cidades representadas pelos respetivos órgãos de poder concluíram ser útil trabalhar em conjunto projetos e atividades para melhorar a qualidade de vida dos seus habitantes. Nesse Congresso foram estabelecidos os princípios essenciais ao impulso educador da cidade, reunidos na “Carta das Cidades Educadoras”. Esta foi revista no Congresso Internacional de Bolonha em 1994, e, posteriormente em 2004 em Génova, a fim de se adaptar aos novos desafios e necessidades sociais.

Em 1994 o movimento formalizou-se como Associação Internacional das Cidades Educadoras (AICE), que tem hoje cerca de 500 cidades-membro, de cerca de 40 países espalhados pelo mundo.

Rede Territorial Portuguesa das Cidades Educadoras (RTPCE) é constituída por todos os municípios portugueses que são membros da Associação Internacional das Cidades Educadoras - AICE e, como tal assinaram a Carta das Cidades Educadoras, defendendo e assumindo nas suas práticas os princípios desta Declaração.

A Rede Territorial Portuguesa das Cidades/Municípios Educadores acolhe atualmente 66 cidades/vilas aderentes à AICE: Águeda, Albufeira, Alenquer, Almada, Amadora, Anadia, Azambuja, Barcelos, Barreiro, Braga, Câmara de Lobos, Cascais, Chaves, Coimbra, Condeixa-a-Nova, Esposende, Évora, Fafe, Funchal, Fundão, Gondomar, Grândola, Guarda, Lagoa (Açores), Lagos, Lisboa, Loulé, Loures, Lousa, Lousada, Matosinhos, Mealhada, Miranda do Corvo, Montijo, Moura, Odemira, Odivelas, Oliveira de Azeméis, Paços de Ferreira, Palmela, Paredes, Penalva do Castelo, Pombal, Ponta Delgada, Portalegre, Porto, Póvoa de Lanhoso, Rio Maior, Sacavém, Santa Maria da Feira, Santarém, Santo Tirso, São João da Madeira, Sesimbra, Setúbal, Sever do Vouga, Silves, Sobral de Monte Agraço, Torres Novas, Torres Vedras, Valongo, Vila Franca de Xira, Vila Nova de Famalicão, Vila Real, Vila Verde e Viseu.

A adesão de Torres Vedras à Rede Territorial Portuguesa das Cidades Educadoras, no ano de 2011, resultou da consciencialização que a prática corrente da sua ação educativa se identificava totalmente com os princípios defendidos por esta rede. 

Desde início de 2005, a Rede Territorial Portuguesa, organizou-se como rede estruturada, com uma Comissão de Coordenação constituída atualmente, para o biénio 2017/2018, por oito municípios: Almada, Loulé, Odemira, Santa Maria da Feira, Torres Vedras, Lisboa, Guarda e Cascais. Destes, cinco foram eleitos por maioria de votos secretos, e os três restantes são o município representante da Rede no Comité Executivo Internacional (Lisboa), o organizador do VII Congresso Nacional da RTPCE – 25, 26 e 27 de maio 2017 (Guarda) e o organizador do XV Congresso Internacional das Cidades Educadoras – junho 2018 (Cascais).

Dos projetos apresentados na candidatura de Torres Vedras à Comissão Coordenadora da Rede Territorial das Cidades Educadoras Portuguesas destaca-se o Programa de Ação “Torres ao Centro” que integra o 8º princípio da Carta das Cidades Educadoras: construir uma cidade onde o planeamento urbano é um fator pleno e rico de integração. 


Boletins da Rede


Experimentar para Aprender

Hoje em dia cresce a necessidade constante de adaptação à sociedade, cada vez mais competitiva e tecnológica. O aumento da literacia científica dos cidadãos facilita a adaptação aos novos desafios sociais e profissionais, influenciando o estilo de vida e cultura das sociedades atuais. 

O ensino experimental das ciências permite promover capacidades de pensamento (criativo, crítico, metacognitivo, resolução de problemas e tomada de decisões) úteis noutras áreas do currículo e em diferentes contextos e situações, como, por exemplo, de tomada de decisão e de resolução de problemas pessoais, profissionais e sociais (Lakin, 2006; Tenreiro-Vieira, 2002; in Ministério da Educação, Programa de Formação em Ensino Experimental das Ciências para Professores do 1.º Ciclo do Ensino Básico, 2006).

A escola tem um papel fundamental na promoção de uma educação cientifico-tecnológica de base, no entanto, os municípios podem ter um papel fundamental apoiando a promoção de atividades de ensino experimental das ciências no seio da comunidade.

O Grupo de Trabalho “Experimentar para Aprender” foi proposto pelo Município de Torres Vedras à Rede Territorial Portuguesa das Cidades Educadoras fazendo, atualmente, parte do mesmo os municípios de Torres Vedras, Odemira, Cascais, Santarém, Rio Maior, Almada, Valongo e Loulé.

O grupo tem como objetivos a partilha de boas práticas no âmbito do ensino experimental das ciências, a criação de maletas pedagógicas com cariz experimental e a identificação de necessidades de formação no âmbito das Ciências Experimentais.

Nota: caso não tenha o código de acesso para inserir atividades, solicite o mesmo para educacao@cm-tvedras.pt com o seguinte assunto: "Código de acesso Experimentar para Aprender".

Experimentar para Aprender

Filtrar por:

Título Entidade Distrito Concelho
Aquaponio: do aquário à mesa Agrupamento de Escolas de Colos Beja Odemira
Programa de Educação e Sensibilização Ambiental de Cascais Cascais Ambiente Lisboa Cascais
"Nanbam-Jin de olhos em bico" (Exposição “Modos, Medos e Mitos no tempo de Cabral”) Município de Santarém (Casa do Brasil ) Santarém Santarém
"Pequenos Chefs" (Exposição “Modos, Medos e Mitos no tempo de Cabral”) Município de Santarém (Casa do Brasil ) Santarém Santarém
"Primeira impressão" (Exposição “Modos, Medos e Mitos no tempo de Cabral”) Município de Santarém (Casa do Brasil ) Santarém Santarém
"Tudo a nu" (Exposição “Modos, Medos e Mitos no tempo de Cabral”) Município de Santarém (Casa do Brasil ) Santarém Santarém
"Fortes, Feios e Maus" (Exposição “Modos, Medos e Mitos no tempo de Cabral”) Município de Santarém (Casa do Brasil) Santarém Santarém
Maleta Pedagógica Experimentar para Aprender Câmara Municipal de Loulé Faro Loulé
Dia Internacional da Sensibilização para o Ruído Câmara Municipal de Valongo Porto Valongo
Rede de Escolas do FUTURO CRE.Porto e municípios parceiros Porto Valongo
Proteção e Gestão do Ambiente Câmara Municipal de Valongo Porto Valongo
Atelier Ambiental Câmara Municipal de Valongo Porto Valongo
Fastrackids Escola Internacional de Torres Vedras Lisboa Torres Vedras
Semana das Ciências Escola Internacional de Torres Vedras Lisboa Torres Vedras
Quero ser Cientista Câmara Municipal de Torres Vedras Lisboa Torres Vedras
Projeto Escolar Ruivaco do Oeste Câmara Municipal de Torres Vedras Lisboa Torres Vedras
Monitorização das aves na foz do Rio Sizandro Câmara Municipal de Torres Vedras Lisboa Torres Vedras
Livro de campo do Ambiente Litoral Câmara Municipal de Torres Vedras Lisboa Torres Vedras
voltar ao topo ↑