Torres Vedras

ARU Encosta de S. Vicente

A delimitação da Área de Reabilitação Urbana da Encosta de São Vicente, na cidade de Torres Vedras, compreende-se entre a linha férrea a nascente, o Choupal e Calçada Augusto Hugo a sul, o Forte de São Vicente, a Calçada Augusto Hugo e a Quinta do Vale de Santo António a poente. Abrange, entre outros espaços e edificações, a Encosta do Choupal, o Bairro da Floresta, o Bairro Cruz das Almas, o Bairro Reis, o Bairro Barreto, o Intermarché, e o Bairro dos Ameais. Existe ainda o miradouro de S. Vicente e alguns terrenos expectantes. Das edificações, destaca-se o antigo Matadouro Municipal, futuro Centro de Artes e Criatividade

A delimitação que melhor se fundamenta e desenvolve no corpo da presente informação, visa melhorar as condições instrumentais de intervenção e reabilitação destes espaços urbanos, de acordo com os objetivos e âmbito de incidência da política pública de reabilitação urbana, consagrados através do regime jurídico da reabilitação urbana (Decreto-Lei nº 307/2009, de 23 de outubro), na redação dada pela Lei nº 32/2012, de 14 de agosto.

Assume-se como objetivo central da presente ARU o reforço da coesão e integração social, atuando sobre a reabilitação do tecido habitacional degradado, a requalificação dos espaços públicos e o reforço da rede de equipamentos e serviços de proximidade.


Operação de Reabilitação Urbana da Encosta de S. Vicente 

A 27 de janeiro de 2015, a Câmara Municipal, na sua reunião ordinária, aprovou a proposta de delimitação da Área de Reabilitação Urbana da Encosta de São Vicente, na cidade de Torres Vedras, adiante designada por ARU da Encosta de São Vicente. A referida proposta foi remetida para a Assembleia Municipal, nos termos do n.º 1 do artigo 13.º do Decreto-Lei n.º 307/2009, de 23 de outubro, na sua atual redação, dada pela Lei n.º 32/2012, de 14 de agosto - Regime Jurídico da Reabilitação Urbana (RJRU), tendo a mesma merecido aprovação na sessão da Assembleia Municipal realizada a 26 de fevereiro de 2015. Na sequência, e nos termos do n.º 3 do artigo 13.º do referido diploma, foi enviado para publicação em Diário da República – através do Edital n.º 274/2015, de 2 de abril - o ato de aprovação da delimitação, acompanhado dos restantes elementos, e do mesmo dado conhecimento ao Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana, I. P., nos termos do n.º 4 do mesmo artigo e diploma.

Ainda de acordo com o RJRU, a delimitação das áreas de reabilitação urbana dá lugar à necessidade de definir a operação de reabilitação urbana que irá desenvolver os objetivos prosseguidos, sendo que a cada ARU corresponde uma ORU. As operações de reabilitação urbana podem, porém, ser constituídas em momento posterior ao da constituição da ARU, dispondo as câmaras de 3 anos para efeito, após a entrada em vigor da ARU. Nesse sentido, foi proposto então que a constituição da ORU ocorresse em momento posterior ao da delimitação da ARU, de modo a permitir uma melhor ponderação sobre o tipo de ORU a estabelecer (simples ou sistemática) e uma articulação e integração mais consistente entre os objetivos da ARU, as unidades de intervenção a definir e o respetivo modelo de execução e de financiamento.

Efetuado esse trabalho de atualização, articulação, e integração, apresenta-se o projeto de constituição da operação de reabilitação urbana sistemática da Área de Reabilitação Urbana da Encosta de S. Vicente na Cidade de Torres Vedras tendo por base o  Programa Estratégico de Reabilitação Urbana para a mesma área.

O presente PERU para a Área de Reabilitação da Encosta de S. Vicente assenta nas opções estratégicas definidas pelo PEDU de Torres Vedras estabelecendo os seguintes eixos estratégicos de intervenção e correspondentes objetivos específicos:

E1. Promover a Coesão Territorial

  • Estruturar o sistema urbano e redefinir o seu centro, alargando-o e estendendo-o para norte;
  • Melhorar as conexões físicas e funcionais entre as diferentes partes da cidade, eliminando barreiras e melhorando as acessibilidades;
  • Fortalecer a rede de equipamentos culturais e de serviços públicos, relevando o seu papel enquanto estruturas geradoras de centralidades urbanas e indutoras de processos de regeneração urbana;
  • Promover a proteção, valorização e dinamização do património cultural, assim como a sua relação com a rede de equipamentos culturais.

E2. Promover a Coesão Social – valoriza a componente do retorno social na definição de intervenções de requalificação urbana, designadamente na promoção de espaços de socialização e na melhoria da oferta de equipamentos e serviços de intervenção social. Tem como objetivos específicos:

  • Promover ações integradas de regeneração física, económica e social de zonas urbanas desqualificadas habitadas por comunidades desfavorecidas;
  • Promover ou apoiar a fixação de serviços de proximidade e projetos de economia social;
  • Implementar projetos de habitação social e de alojamento temporário para pessoas ou famílias em situação de carência extrema;
  • Promover a inclusão ativa, com vista à promoção da igualdade de oportunidades, da participação ativa e da melhoria da empregabilidade.

E3. Promover a Sustentabilidade Ambiental e Uso Eficiente dos Recursos – assume como pressuposto a aposta na sustentabilidade ambiental, promovendo a mobilidade suave, a eficiência energética e a redução de emissões. Tem como objetivos específicos:

  • Promover a mobilidade suave, estruturando e implementando uma rede urbana de percursos pedonais e cicláveis;
  • Melhorar a qualidade do ambiente urbano, através da redução das emissões de Gases de Efeito Estufa e do ruído, e do aumento dos espaços verdes;
  • Melhorar a eficiência energética de edifícios e espaços públicos através de sistemas de iluminação e climatização mais eficientes e de sistemas inteligentes de gestão e monitorização de consumos;
  • Estabelecer um novo modelo de repartição modal, assente na mobilidade suave e elétrica e no transporte público e, consequentemente, na intermodalidade.

E4. Promover a Competitividade e a Valorização Económica da Cidade – assenta na afirmação e projeção da cidade, dando especial enfoque à valorização dos recursos culturais e dos símbolos identitários da cidade, geradores de centralidade urbana e de captação de atividades económicas, de residentes e visitantes. Tem como objetivos específicos:

  • Criar condições propícias ao desenvolvimento de dinâmicas associativas culturais que promovam a imagem de Torres Vedras, nomeadamente em torno da temática do Carnaval;
  • Promover ou reforçar o apoio à criação de incubadoras de empresas de base local, vocacionadas para a investigação e a potenciação de iniciativas inovadoras e criativas;
  • Apostar no funcionamento em rede dos equipamentos culturais existentes, articulando-os com os restantes equipamentos, espaços públicos e atividades comerciais;
  • Melhorar a eficiência dos serviços públicos na resposta às iniciativas de base económica.

E5: Melhorar os Mecanismos de Governança e de Comunicação com a População – aposta em formas de governação indutoras de parcerias, do envolvimento e da partilha de responsabilidades, assim como num modelo eficaz de comunicação, claro e objetivo, que apoie a informação e formulação de opinião por parte dos públicos-alvo. Tem como objetivos específicos:

  • Desenvolver ações de participação e envolvimento das populações e restantes stakeholders;
  • Promover o estabelecimento de parcerias, tendo em vista a concretização de ações concretas;
  • Implementar uma estratégia de comunicação, assente na elaboração de um Plano de Divulgação e Comunicação, transversal ao PEDU de Torres Vedras.

O prazo de execução da ORU da Encosta de São Vicente é de 15 anos, tal como previsto no artigo 20.º do RJRU. O município, nos termos do n.º 1 do artigo 10.º do RJRU, assume diretamente a gestão da presente operação de reabilitação urbana. De acordo com o previsto no artigo 20.º-A do mesmo diploma, a execução desta operação será acompanhada pela Assembleia Municipal que apreciará os relatórios de monitorização anual, podendo a programação ser alterada a cada cinco anos.

A Operação de Reabilitação Urbana da Encosta de São Vicente pode ser consultada aqui.


Notícias / Orden. do território

Imagem da Notícia Inquérito à população no âmbito da estratégia de reabilitação urbana do Concelho
Imagem da Notícia Constituição da ARU do Concelho de Torres Vedras aprovada em reunião de Câmara
Imagem da Notícia Edil torriense defende papel dos municípios no combate às alterações climáticas
Imagem da Notícia “Valorizar o litoral de Torres Vedras” vai dinamizar costa torriense

“Valorizar o litoral de Torres Vedras” vai dinamizar costa torriense

16.10.2019

“Valorizar o litoral de Torres Vedras” é o programa da Câmara Municipal de Torres Vedras que irá trabalhar a gestão dos apoios de praia do Concelho. Esta terça-feira, o Executivo Municipal aprovou a constituição de uma equipa que irá estudar qual o melhor modelo de concessão. (...)

Imagem da Notícia Livro “A Cidade das Bicicletas” foi apresentado em Torres Vedras

Livro “A Cidade das Bicicletas” foi apresentado em Torres Vedras

25.09.2019

O livro A Cidade das Bicicletas - Gramática para o desenho de cidades cicláveis foi apresentado no passado dia 23 de setembro, no Centro de Educação Ambiental, em Torres Vedras. A apresentação da obra de Paula Teles esteve a cargo de Joaquim Gomes, diretor da Volta a Portugal, numa sessão que contou (...)

Imagem da Notícia Praia Azul foi alvo de obras de proteção costeira

Praia Azul foi alvo de obras de proteção costeira

17.06.2019

As obras de proteção costeira da Praia Azul foram inauguradas no dia 15 de junho, com a presença do ministro do Planeamento, Nélson de Souza, tendo sido, em simultâneo, aberta oficialmente a época balnear no Concelho. (...)

voltar ao topo ↑