Torres Vedras

Agenda

Madrid Soloists Chamber Orchestra

Até 16 de outubro 2021 | 18h30

Música Madrid Soloists Chamber Orchestra

Evento já ocorrido

Local: Museu do Dinheiro, Lisboa

Integrado na Mostra Espanha 2021, a Temporada Darcos junta-se à Madrid Soloists Chamber Orchestra para dois concertos únicos.

Com sede em Madrid, a Madrid Soloists Chamber Orchestra emergiu na cena musical espanhola como uma das orquestras mais promissoras da atualidade e, durante vários anos, foi protagonista de uma crescente e regular carreira internacional.

A colaboração com o Ensemble Darcos resulta do trabalho conjunto dos seus diretores artísticos, Nuno Côrte-Real e Gabor Szabo, dois músicos cujo ideal de beleza pode ser definido como a procura da perfeição. Neste concerto juntos, os dois grupos apresentarão duas obras únicas na história da música ocidental, o Concerto para Clarinete e Orquestra de Aron Copland, aqui interpretado pelo virtuoso Sebastian Manz, e a intemporal e romântica Noite Transfigurada de Arnold Schoenberg, completando o programa da obra de Nuno Côrte-Real, Canções de amor e natureza.

A união ibérica faz-se aqui através do amor, da natureza e da paixão pelos sons, permitindo reduzir o espaço entre os dois países e emergir um espírito unificado e concêntrico, o caminho para uma verdadeira Ibéria cultural.



Clarienete: Sebastian Manz
Direção musical: Nuno Côrte-Real
Madrid Soloists Chamber Orchestra 
Ensemble Darcos


Atividade Gratuita


Integrado em Temporada Darcos 2022. Outras datas:

“Há dois anos que vivemos suspensos, num tempo suspenso. Tempo  dissonante, ruidoso, pontuado pelo  irritante ostinato do coronavírus.  Ainda que persistam algumas interrogações, cremos ter chegado  àquele momento que em música  se chama o «ataque», momento  mágico, expectante, pleno de pro-  messas, em que as mãos do pianista, estáticas, tensas, prontas, se  preparam para inaugurar um novo  tempo, o tempo encantado da arte  musical. É tempo de renascer. Para  nós, chegou o tempo da Fénix, a  ave ancestral e mítica que, renascendo das próprias cinzas, marca o  início de um novo ciclo. Que voe alto  e magnífica no azul vasto dos céus,  são os nossos votos. Que a grande  Arte nos possa sanar das implacáveis dissonâncias da Natureza.  Para isso trabalhamos. 2022 será o  ano em que Shlomo Mintz, um dos  maiores violinistas do nosso tempo,  visitará Portugal para interpretar o  maravilhoso Concerto para Violino e  Orquestra de Beethoven, acompanhado pela Madrid Soloists Chamber Orchestra, dirigida por Nuno Côrte-Real; serão três concertos, em Lisboa, Torres Vedras e, pela primeira vez na Temporada Darcos, na Casa da  Música no Porto. Mas 2022 verá também renascer uma nova e original  versão do bailado A Sagração da Primavera, de Stravinski, protagonizada  pela Vortice Dance Company e pelos seus coreógrafos Cláudia Martins e  Rafael Carriço. Também no Porto, e na mesma Casa da Música, vindo de  Lyon, irá apresentar-se um dos mais conceituados ensembles franceses  de música contemporânea, o Ensemble Orquestral Contemporain, com o  seu diretor musical, Bruno Mantovani, destacado maestro e compositor,  num intercâmbio musical que integra a Temporada Cruzada Portugal-França. O ano de 2022 traz ainda uma nova parceria com a Universidade  de Lisboa, intitulada Música na Universidade, uma série de concertos de  câmara e sinfónicos em espaços de rara beleza e muita história, como o  Anfiteatro Chimico (Museu Nacional de História Natural e da Ciência) ou a  Aula Magna da Reitoria. De Espanha, com o perfume surrealista do genial  pintor Salvador Dalí, será apresentada a ópera de câmara La Vida Secreta,  com música de Nuno Côrte-Real, libreto da escritora, tradutora e poeta, Martha Asunción Alonso, e encenação de Carlos Antunes, numa coprodução entre a Temporada Darcos e o Festival Little Opera, de Zamora; nessa  cidade espanhola, à beira-Douro plantada, será ainda lançado um novo CD,  música ligeiramente surreal onde o real sonoro será sonoramente irreal…  O Ensemble Darcos continuará em 2022, a sua viagem de excelência por  caminhos tão vários como Mahler, Bach, Stravinski ou Dvořák, sempre com  apresentações que desafiam os críticos mais exigentes, pela sua extraordinária qualidade e empenho emocional. É tempo de renascer, das nossas  cinzas e dos nossos medos, de voar novamente e continuar a luta por  um futuro global sustentável e pacífico. Tentaremos que a Música, arte  por excelência do indizível, possa nesta 15ª edição da Temporada Darcos,  dizer o mais possível. Queremos dizer tudo sem usar uma palavra. Gritar a  esperança em modo mudo.” Nuno Côrte-Real

 

"A Temporada Darcos expressa-se  num programa artístico que repousa num projecto cultural agregador,  ancorado numa visão singular sobre  o papel das artes e da cultura no  pleno desenvolvimento sustentável das comunidades.

Em 2022, num movimento assumidamente centrífugo de (re)encontro,  a constelação de territórios tocados  pela Temporada Darcos expande-se. O conceito de fronteiras é resignificado e, em lugar de constituírem barreiras, que acentuam  a fragmentação e a insularidade, convertem-se em pontos de contacto. Sob a égide da aproximação,  ligações virtuosas tecem uma rede  policêntrica com instituições e colectivos de perfil, geografia e escala  diversas, aprofundando a cidadania cultural. Sob o signo da cooperação,  ensaia-se uma ecologia de práticas colaborativas que, incorporando conhecimento e competências, aportam inovação aos diversos actores institucionais envolvidos.  Nascem, assim, co-produções entrecruzando aspirações, intenções  e mutualizando recursos.

A Temporada, na sua dimensão de  processo, fecunda relações dialógicas entre diferentes referentes,  códigos e universos estéticos. A desocultação do património artístico  universal, onde avultam obras-primas da humanidade, é propiciadora  do exaltante prazer da descoberta  que se reforça no confronto com a  criação nova.

Na sua 15ª edição, a Temporada  Darcos promove uma verdadeira celebração das artes e da cultura,  transportando um imaginário  sedutoramente feérico e um horizonte de utopia propulsor de futuros livres e de novos caminhos progressistas." Ana Umbelino, vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Torres Vedras

 


Direção artística: Nuno Côrte-Real
Consultoria: Afonso Miranda
Gestão artística: Vanessa Pires
Textos: José Bruto da Costa
Produção executiva: Raquel Fonseca
Assistente de produção: Ricardo Ventura
Coordenação de projetos: Manuel Lima
Relações públicas e assessoria de imprensa: Débora Pereira
Contabilidade: Luís Silvestre
Imagem gráfica: Olga Moreira (a partir de fotografias  de Jorge Carmona)
Comunicação e imagem: Câmara Municipal de Torres Vedras

Última atualização: 11.10.2021 - 15:35 horas
voltar ao topo ↑