Torres Vedras

Scratching the Surface (série)

01.03.2013

Scratching the Surface (série)

Esta obra da autoria de Alexandre Farto, conhecido por Vhils, integra uma série designada “Scratching the Surface” iniciada em 2007.

O projeto consiste num conjunto de trabalhos, maioritariamente baseados em retratos humanos e imagens de urbanidade, que foram esculpidos na superfície de paredes formando contrastes, revelando as camadas irregulares que se encontram abaixo. A premissa fundamental por trás desta série é o ato de trabalhar com a cidade como matéria-prima, utilizando parte do próprio ambiente urbano, incorporando-o na própria obra e tornando a obra, simultaneamente, numa parte da cidade.

Vhils procura expressar a ideia de que por trás da monotonia das superfícies de tijolo e cimento que compõem as cidades em que vivemos, definindo a natureza de quem somos, reside a dimensão humana.

Com esta série, Vhils procura expressar a ideia de que por trás da monotonia das superfícies de tijolo e cimento que compõem as cidades em que vivemos, definindo a natureza de quem somos, reside a dimensão humana. “Scratching the Surface” é um ato de criação retirado de formas sem vida, subvertendo e reorganizando a finalidade pela qual foram construídas em primeiro lugar. O objetivo é gravar a ideia de vida numa parede, criando uma peça iconográfica de simbolismo que resista, trazendo “vida” a uma superfície que não a tem.

O trabalho de Vhils passa pela projeção da imagem numa parede, traçada depois com tinta e posteriormente esculpida, através da remoção de pequenos pedaços de parede, com recurso a martelos e outras ferramentas menos convencionais. A violência do método utilizado tem como objetivo criar um claro contraste com a poética e beleza do resultado.

A violência do método utilizado tem como objetivo criar um claro contraste com a poética e beleza do resultado.

“Neste ato de escavação, é o processo em si que é expressivo, e não tanto o resultado final. É um tentar refletir sobre as nossas próprias camadas. Não tem como propósito apresentar soluções, mas de pesquisar, de confrontar sistemas, materiais, processos, elementos, criar fricção e confrontar o indivíduo com o processo, com o sistema. Um processo crítico ativo que tem origem no mesmo meio sobre o qual tenta refletir.”

  • Autoria: Vhils (Alexandre Farto) [1987- ]
  • Localização: Rua Serpa Pinto, parque de estacionamento de Santiago, Torres Vedras
  • Data de execução: março de 2009

 

Veja o vídeo da execução da obra:

Vhils

Nasceu em Lisboa, em 1987.

Cresceu próximo do Seixal e iniciou-se no graffiti por volta dos 13 anos, uma ferramenta poderosa que permitia aliar uma atividade plena de risco e adrenalina à expressão estética e interação com o meio ambiente.

Em 2007 foi para Londres estudar na Central Saint Martins College of Art and Design e já não era propriamente um desconhecido dentro da cena da arte urbana.

Brutal, complexa e intensamente urbana, a poesia visual de Vhils tem sido mostrada ao mundo em várias exposições individuais e coletivas, assim como inúmeras intervenções livres em paredes e eventos numa multiplicidade de países.

Em Maio de 2008 seria apresentada ao público internacional a primeira grande intervenção da sua série “Scratching the Surface”, no Cans Festival, em Londres, um festival de arte urbana comissariado por Banksy. A resposta foi arrebatadora: a comunidade internacional de artistas urbanos saudou a chegada de um novo talento, mas a grande surpresa centrar-se-ia no modo como o público e a imprensa o receberam: Vhils era aclamado como a next big thing, era “descoberto” pelo mundo.

voltar ao topo ↑